Posts

Joao Maia tira fotos com seu smartphone usando o som como referência durante os Jogos Paraolímpicos Rio 2016

Blinde fotograaf maakt prachtige foto’s paralympics

 Joao Maia tira fotos com seu smartphone usando o som como referência durante os Jogos Paraolímpicos Rio 2016

Als kunstenaar hoeven niet al je zintuigen perfect te werken. Dat bewijst de blinde fotograaf Joao Maia da Silva. Hij maakte de mooiste foto’s tijdens de Paralympics.

OGEN IN HET HART

Hij is de eerste fotograaf met een visuele beperking die de Paralympische Spelen op beeld vastlegt. Nu zou je verwachten dat die beelden allemaal mislukken, maar niets is minder waar. „Je hoeft niet te zien om te fotograferen”, vertelt Da Silva tegen Firstpost. „Mijn ogen zitten in mijn hart.”

AQUAREL

De voormalige postbezorger is 41 en verloor op zijn 28e zijn zicht door de ziekte uveitis, een ontsteking aan de ueva. De ueva is de iris en het vaatvlies. Daardoor ziet Da Silva alleen sommige vormen en kleuren als hij heel dichtbij is. „Mijn leven is een enorme aquarel.”

VERHAAL

Nadat hij braille had geleerd, ontwikkelde hij een interesse in fotografie. „Ik denk dat ik met fotografie de kans krijg mensen te vertellen dat ik visueel beperkt ben, maar tegelijkertijd ook dat ik besta en hier ben. Ik registreer wat ik zie, op mijn manier. Fotografie geeft vorm aan de manier waarop ik zie.”

LAWAAI

Da Silva begon met fotograferen met een gewone camera, maar gebruikt tegenwoordig zijn telefoon. Die kan hem helpen beter te focussen. „Wanneer ik dichtbij genoeg ben, kan ik het hart van de sporters voelen kloppen, de stappen horen en kan ik de foto maken. Maar met lawaai op de achtergrond is het moeilijk.”

Fonte: Metronieuws
Foto de João Maia segurando uma câmera e de colete azul na frente do painel escrito circuito Brasil , caixa loterias, atletismo

Inspiring: This Photographer Covered The 2016 Paralympics Despite His Blindness

Foto de João Maia segurando uma câmera e de colete azul na frente do painel escrito circuito Brasil , caixa loterias, atletismo

Like many press photographers, João Maia da Silva is passionate about his job especially when he’s on assignment. In fact, not even his visual impairment could deter him from taking some awe-inspiring photos during the 2016 Paralympics in Rio.

“You don’t need to see to take photographs. My are eyes are in my heart,” explained Maia. He had lost his sight at an early age of 28 after he suffered from unveitis. It is a type of eye inflammation that suddenly blurs your vision. For Maia, the disease soon made him unable to see just about anything, just shapes and colors if he were close enough to the subject. Nonetheless, none of that matter so long as he’s got his camera.

According to a report from AFP, Maia’s journey to becoming a professional sports photographer started at the post office. Before he became a member of the media, Maia had worked as a postman in Sao Paolo. This is where he had learned to be utilize a cane to move around by himself. He also started taking classes in Braille to allow him to read blind. Around the same time, Maia also developed an interest in photography. And no, his visual handicap did not keep him from trying it out.

Also ReadSingle Mom Transforms Herself To Attend Dads Only School Event

“Photography is about sensitivity. I think it’s marvelous to be able to show how I perceive the world, how I see it, sense it,” he explained. And so, this is how Maia, now 41, found himself in the company of a number of other sports photographers in the Paralympic stadium during the games.

For this shots, he relies on a little help from his other photographer friends. In fact, he has come to call Leonardo Eroico and Ricardo Rojas his borrowed sets of “eyes.” They had formed a Mobgraphia initiative that helps promote the use of cellphones in photography. They also give much needed encouragement to photographers like Maia who are dealing with extraordinary challenges.

When he first got into professional photography back in 2008, Maia was using a traditional camera. Nowadays, however, he also relies on his handy smartphone to take some of his winning images. He admits he’s always trying to capture more than just a moment. “It’s not just action I want to capture but the intimacy,” he remarked.

Today, Maia is a living testament that nothing is impossible even if the odds seem stacked against you. To view a number of Maia’s outstanding works, check out his Instagram page. Currently, he has over 7,000 followers already.

Fonte:  Morning News
Imagem de Joao Maia tirando fotos com seu smartphone usando o fone de ouvido, logo usa o som como referência. AFP '' Joao Maia tira fotos com seu smartphone usando o som como referência durante os Jogos Paraolímpicos Rio 2016

Blind Brazilian photographer Joao Maia takes pictures with his smartphone using the sound as a reference during the Rio 2016 Paralympic Games in Rio de Janeiro, Brazil on September 9, 2016. 41-year-old Maia lost his sight at age 28 due to an affection of the uvea. This is the first sportive event y covers as a photographer. / AFP / CHRISTOPHE SIMON (Photo credit should read CHRISTOPHE SIMON/AFP/Getty Images)

Athletes aren’t the only people defying the odds at the 2016 Paralympics.

Joao Maia, a photographer who is visually impaired, is covering the international sporting event in Rio by taking beautiful photos.

He is the first photographer with visual impairments to cover the Paralympic Games, according to the below video by Rio 2016.

You don’t need to see to take photographs. My eyes are in my heartJoao Maia

“You don’t need to see to take photographs. My eyes are in my heart,” Maia told Firstpost, an Indian news organization.

Maia, 41, is a former postman from Sao Paulo, Brazil. He lost his sight when he was 28 after developing uveitis, an inflammation of the middle layer of the eye. He can now only see some shapes and colors when he’s close up.

“My life is a huge water color painting,” he explained in the above video.

While Maia learned Braille and how to use a cane, he developed an interest in photography. He explains to World is One News, an international English-speaking news source, that photography allows him to express himself.

 “I think photography gives me the opportunity to tell people I am visually impaired, that I exist, that I am here. I am registering what I see, in my way: out of focus [and] blurry. But, the way I see it, photography gives shape to my view.”

CHRISTOPHE SIMON VIA GETTY IMAGES
Brazilian photographer Joao Maia.

Maia started taking pictures with a traditional camera but now uses a smartphone to snap his photos, which helps with focusing.

According to Rio 16’s video, Maia also relies on able-sighted people around him for help. He asks them questions such as what the athlete looks like and what they are wearing.

He then looks for a color contrast he likes or the right moment, and then starts snapping away.

“When I am close enough I feel the runners’ heartbeats, their steps and then I’m ready to take the picture,” he told Firstpost but admits that he still has his struggles. “But with noise and distance I find it difficult.”

He also gets help from others in regards to editing and posting his photos to social media, like his Instagram, according to the outlet.

Yet, the photos are still his own. He told Firstpost:

“It’s not just action I want to capture but the intimacy.”

See some of Maia’s photography below:

Fonte: The Huffingtonpost 

João Maia, fotógrafo: `Não quero ser visto como o ceguinho`

João Maia tirando foto de um atleta correndo na pista no fundo árvores

Com deficiência visual desde os 28 anos, João Maia é especializado em registrar imagens de esportes paralímpicos

As referências ainda estavam frescas na memória: havia chovido e seguramente se formariam lâminas de água em alguns pontos da pista de atletismo. O sol já ardia novamente e o contraste seria perfeito. Câmera bem próximo do chão, pouca distância do elemento principal, ângulo correto, bastava respirar e esperar que o atleta passasse pelo quadro e garantir o clique com sua imagem em movimento refletida no espelho de água. Um registro que beira o trivial, não fosse o autor da imagem praticamente cego.

João Maia, 41 anos, piauiense de Bom Jesus, será o primeiro fotógrafo com deficiência visual a cobrir um evento olímpico, a Paralimpíada do Rio, a partir da quarta-feira 7. Há vinte anos morando em São Paulo, João trabalhava como carteiro e enxergava perfeitamente até os 28 anos, quando uma doença autoimune, a uveíte bilateral, o fez perder a visão, paulatinamente. “Sou cego de um olho e com o outro só enxergo vultos, borrões. Na pista eu sou cego.” João descobriu o esporte e começou a praticar arremesso de peso e lançamento de dardo e disco. Ganhou uma bolsa de estudos, formou-se em história e por pouco não representou o Brasil nos Jogos como atleta.

A paixão do piauiense pelas lentes vem da adolescência, época em que fazia cursos por correspondência no seu estado natal. “Estudei muito, me especializei. A fotografia é para todos.” Ao lado de um colega cadeirante, João foi descoberto enquanto fotografava um evento paralímpico nacional, em 2015, e recebeu convite para integrar o time de fotógrafos da Superação 2016, um projeto artístico que dará origem a uma exposição sobre os Jogos.

João vive sozinho em um apartamento modesto no bairro do Brás e passa o dia todo ouvindo uma voz feminina: seu celular e computador são configurados com um programa de voz que lê todos os comandos. Com incrível destreza, o fotógrafo responde a mensagens, e-mails, envia seus arquivos de foto e trabalha normalmente.

A habilidade tecnológica é uma das razões do seu sucesso. Ele costuma fotografar com uma câmera profissional tradicional, Canon D70, mas na Rio 2016 estará armado apenas com seu iPhone falante. “Com a câmera, fotografo totalmente cego, não tenho ajuda nem como fazer ajustes manuais, é tudo no automático. No celular, uso a câmera como qualquer pessoa.” O aplicativo nativo do smartphone avisa se João está gravando um vídeo, tirando uma foto, com ou sem flash, e até a distância entre ele e seu fotografado. “Não quero ser visto como o ceguinho, o coitadinho, mas como fotógrafo.”

Antes de clicar a foto do atleta com a imagem refletida no espelho de água, João lembrou de uma imagem que tinha visto quase daquele jeito. Pediu a um amigo que o levasse para perto do acúmulo de água, praticamente se deitou no chão e fez vários cliques com seu smartphone a cada vulto que passava à sua frente, até chegar à imagem que queria. “Além de ter sido atleta, o que ajuda na hora de pensar numa foto, converso com todos, de todos os esportes, e eles me dizem que momento é importante, onde será a maior ação, o maior esforço. Faço a composição na minha cabeça e clico.

 

 

Fonte: Veja

Deficiente visual vai fotografar Paralimpíadas

A deficiência visual não é barreira para fotografar profissionalmente. João Batista da Silva, 41 anos, é morador do Brás em São Paulo, capital – aluno de fotografia eduK há 1 ano e meio
João perdeu a visão aos 28 anos por consequência de uma uveíte bilateral. A doença deixa sequelas que só são constatadas tempos depois e, no caso de João, o olho direito teve descolamento de retina, além de zerar a pressão ocular e no esquerdo, uma lesão no nervo ótico o deixou com a visão muito baixa. Hoje ele percebe vultos, cores e formatos (quando estão bem definidos e próximos).


A fotografia entrou na vida de João ainda na adolescência, mas ele mesmo se define como um simples amante da arte desde então. Tem como ídolo e referência Evgen Bavcar (fotógrafo esloveno – deficiente visual – de grande destaque internacional). João acredita que a disponibilidade para estar sempre se atualizando e aprendendo é essencial para fotografar.
Ao ser diagnosticado com a deficiência visual, aos 28 anos de idade, João perdeu o emprego de carteiro. Passado o período de aceitação, ele se atirou na fotografia: tomou conhecimento sobre maneiras de se aperfeiçoar. Ele é especialista da editoria de esportes e se dedicou a cobrir eventos como o Circuito Caixa de Atletismo: “Como eu já tinha familiaridade com o ambiente, rotina e toda a percepção do atletismo, ficou mais fácil e hoje acabo conseguindo cliques até melhores que os fotógrafos sem deficiência. Eu sei onde e como o atleta estará no momento da largada, da chegada…sei como me posicionar, monto meu tripé com minha DSLR e disparo o automático na hora exata. ”
João considera a eduK essencial para a carreira dele: “com os cursos eu consigo entender detalhes, voltar a cena e pegar todo o conteúdo com muita facilidade”.
Hoje, com a meta de participar de um evento olímpico alcançada, João estabeleceu outro objetivo: o de levar a fotografia com acessibilidade para todo o país. “Quero montar uma exposição acessível com minhas fotos onde tenham legendas em braile ou relevo para expandir ainda mais este universo e mostrar que a deficiência não é um fim e sim um começo de uma nova vida”.
“Defino fotografia em 3 palavras: luz, conhecimento e oportunidade”, João Batista da Silva, fotógrafo paulistano, 41 anos, aluno eduK. Primeiro deficiente visual a cobrir uma Paralimpíada.

 

 

Fonte: ACEC