NA MÍDIA

João Maia , negro , cabelo crespo preto ondulado , está com um sorriso contagiante. João  veste uma camisa azul de manga longa, de pé, está com a mão esquerda no bolso. Com a direita segura a bengala. No plano de fundo símbolo da Globo num painel preto com letras coloridas formando a palavra " Todos os sonhos'

O fotógrafo cego do Piauí que luta para cobrir Paralimpíadas de Tóquio – BBC
O piauiense João Maia, de 46 anos, não consegue enxergar, mas isto não impede que exerça a profissão de fotógrafo. Sem o apoio da visão, João conta com seus outros sentidos para fazer os cliques: a audição, o tato, o olfato e o mais importante deles: o coração.

Entrevista: João Maia, fotógrafo cego, consegue credenciamento para as Paralimpíadas de Tóquio – UOL
“A vibração da torcida, o toque da sapatilha na pista de atletismo, o som que esse atleta emite… tudo isso compõe a minha fotografia”. O piauiense João Maia, 46 anos, sabe que não é um fotógrafo convencional: a partir de sua baixa visão, transforma os vultos desfocados que enxerga não em fantasmas, mas em arte.

Conheça João Maia, o fotógrafo cego – Canon
Meu desejo é que apareçam outros como eu, pois somos muito capazes”. Você precisa conhecer a história do João Maia, o primeiro deficiente visual a fotografar os Jogos Paralímpicos. Ele usa Canon em muitos de seus clicks.

O fotógrafo cego do Piauí que luta para cobrir Paralimpíadas de Tóquio O Globo
João Maia, de 46 anos, trocou a vida de atleta pela vida artística e se destacou em 2016, quando chamou a atenção fazendo a cobertura dos Jogos Paralímpicos no Rio de Janeiro.

O fotógrafo cego do Piauí que luta para cobrir Paralimpíadas de Tóquio – Correio Braziliense
João Maia trocou a vida de atleta pela vida artística e se destacou em 2016, quando chamou a atenção por ser um fotógrafo cego fazendo a cobertura dos Jogos Paralímpicos no Rio de Janeiro.

Fotógrafo com baixa visão fará cobertura das Paralimpíadas de Tóquio – Portal Acesse
Com uma história de superação e resiliência, João Maia é um homem surpreendente. O fotógrafo com baixa visão é embaixador institucional da Fundação Dorina Nowill para Cegos, para os Jogos Paralímpicos de Tóquio. Ele desembarcou no Japão, no dia 19 de agosto, para mostrar a cultura, a acessibilidade, e os bastidores da competição.

Acessibilidade atitudinal é o principal legado dos Jogos Paralímpicos do Japão – Estadão
João Maia, fotógrafo que tem baixa visão, cobriu os Jogos Paralímpicos de Tóquio como embaixador da Fundação Dorina Nowill. “O que chama atenção é o comportamento coletivo, mas ainda há barreiras para pessoas com deficiência”.

O fotógrafo brasileiro — e cego — que já fotografou duas Paralimpíadas – UOL TAB
João Maia é o único fotógrafo cego no mundo a cobrir duas Paralimpíadas. Acabou de voltar do Japão. É nordestino e negro.
A sexta-feira estava nublada quando o encontrei, na avenida Paulista. Comigo estava Marco Oton, o fotógrafo que me acompanharia na reportagem. Marco também é deficiente visual, estava de colete e acompanhado da mãe, Marlene. João tentava encaixar um adaptador de cartão numa 7D Mark ON — ele não larga sua câmera.

Bonjesuense João Maia irá participar do Festival Paraty em Foco – Portal Gurgueia
O fotografo criador da ‘Fotografia Cega’, irá participar também da cobertura das Paraolimpíadas em Tóquio.

Fotógrafo cego faz registros surpreendentes de paisagens a esportes olímpicos; FOTOS – G1
Sem contar com a visão, João Maia diz usar emoção e outros sentidos para compor cliques.

O repórter cego que fotografa os Paralímpicos – DN PT
Repórter fotográfico invisual é mais um exemplo de superação no evento. “Não preciso de ver, tenho os olhos do coração”, explica.

Redes Sociais