O fotografo João Maia é convidado para participar do curso olhar improvável, junto com outros grandes fotógrafos nacionais .

Olhar Improvável.

Stúdio BOOP e ONG Mais Diferenças.

 

Convidado  pelo Studio Boop, o fotógrafo  João Maia, representando  a fotografia cega, compartilha  seu conhecimento no curso básico de  fotografia ,para   alunos com e sem deficiência.

Gratidão, Marcelo, Artur e Guacyara

 

Projeto Olhar Improvável: Studio Boop desenvolve curso de fotografia para pessoas com e sem deficiência.

Conclusão terá exposição do material produzido pelos alunos

 

O Studio Boop, em parceria com a ONG Mais Diferenças, acaba de lançar o Projeto Olhar Improvável, que vai oferecer um curso básico de fotografia para pessoas com e sem deficiência.

 

O curso terá 4 aulas com fotógrafos renomados, como Arthur Calasans, Valdir Gonçalves, Jacques Dequeker e João Maia, famoso por ser cego e produzir fotografias profissionais durante as Paraolimpíadas do Rio 2016.

 

As modalidades oferecidas no curso Olhar Improvável envolvem técnicas para foto estúdio, foto externa, retrato, iluminação e making of. Os alunos também terão a chance de aprender a utilizar os equipamentos fotográficos profissionais, ampliando ainda mais a experiência durante o curso.

 

O projeto também vai trazer oportunidade para modelos com deficiência, que serão produzidas por maquiadores convidados e clicadas pelos alunos, como uma produção real do dia a dia desses profissionais.

 

O Projeto Olhar Improvável terá aulas nos dias 10, 17, 24 e 30 de maio.

 

 

Professores Fotógrafos

 

O fotógrafo Jacques Dequeker, além de um dos professores, será assistente dos alunos na sessão de fotos, trazendo toda sua experiência como profissional e como instrutor.

Na aula de João Batista Maia, um ponto curioso é descobrir a própria história do fotógrafo, que enxergava e ficou cego aos 28 anos. Aos 41, foi destaque na cobertura das Paraolimpíadas Rio-2016, onde o som era um grande parceiro na hora do clique

 

Arthur Calasans é fotógrafo, descobriu na fotografia uma importante ferramenta de reflexão sobre o valor social da inclusão educacional e econômica das pessoas com deficiência.

 

O cadeirante Valdir Gonçalves, fotógrafo e analista de sistemas, rodou por mais de dez países produzindo imagens que materializam as diferentes possibilidades de se fazer fotografia.

 

Após o término do curso, o Olhar Improvável dos alunos e as fotos tiradas por eles estarão em uma exposição.

#olharimprovável
#stúdioboop
#maisdiferenças
#fotografiacega
#cidadesquemedizemrespeito
#inclusãosemlimites
#doisdobrasil

 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Gostou? Deixe seu comentário!